EXPOSIÇÕES 2002
MATÉRIAMOR
Mostra individual de pinturas. Mezanino do foyer da sala Villa-Lobos no Teatro Naciona Claudio Santoro em Brasília.

" Na série Matériamor, a pintura já se aproveita do exercício de sintetização de formas, experimentado no desenho. Em espaços indefinidos e claustrofóbicos, o humano aqui é só sugestão, quase pedaço de carne (representação que, por vezes, ecoa a visualidade de Francis Bacon). Recorrentemente, o corpo humano é sugerido por uma semi-escritura: olhocoraçãoaparelhoreprodutivofeminino. Ou é cabeça e espinha dorsal.. E sempre os buracos, os ocos, as faltas: útero, caixa toráxica... Receptáculos, corpo-receptáculo. Um que pode ser dois... ou muitos. Massa humana quase indiferênciada, algumas vezes, quase abstração". 

Marília Panitz
Foi professora na Universidade de Brasilia no Instituto de Arte de 1999 a 2011. Mestre em Teoria e História da Arte pela UnB. Dirigiu o Museu Vivo da Memória Candanga e o MAB-Museu de Arte de Brasília, coordenou o Programa de Bolsas de Pesquisa MAB/MinC. Desde 1994, atua como pesquisadora e coordenadora de programas educativos em exposições. Responsabilizando-se por diversas mostras individuais e exposições coletivas. É curadora independente.